Série | Como My Mad Fat Diary me ensinou sobre auto-aceitação

tumblr_mku7juO7ts1s7nugto1_r1_500Hoje vai ao ar o último episódio de My Mad Fat Diary e resolvi falar um pouco dessa série que trata de assuntos que raramente são falados em séries, além de mostrar a época mais conturbada da vida de uma pessoa – a adolescência, também retrata na visão da principal, Rae Earl, o modo como ela se sente sendo uma pessoa gorda com baixa autoestima e como isso reflete em sua vida e amigos, além de como ela tem que voltar a sua vida desde sua saída de um hotel psiquiátrico por tentativa de suicídio. A série ainda é ambientada em Lincolnshire em 1996 e com uma trilha ao som do rock da época, passando por Oasis, New Order, Blur, Placebo, Radiohead, etc.

Contendo 3 temporadas, MMFD pode te ensinar algumas lições como:

 

  1. A ideia de alguém fora do seu alcance é completamente errada.

tumblr_n1hzfgcZrD1rkjn1zo3_1280Como falado anterior Rae é uma adolescente com várias inseguranças, principalmente pela questão do seu corpo e esses alcances é algo que acabamos criando, pois colocamos muito valor sobre como as outras pessoas nos vêem, mas Rae mostra que não existe barreiras quando o assunto é amor e todos são dignos de tê-lo.

  1. Às vezes é Ok que outras pessoas te amem antes que você possa amar a si mesmo.

tumblr_n0zdygaHdU1rkjn1zo1_500Na história Finn está absolutamente apaixonada por Rae e Rae não está apaixonada por ela mesma. As pessoas gostam de dizer que você não pode amar até aprender a amar a você mesmo, mas em My Mad Fat Diary a série nos mostra que o amor de outra pessoa poderia muito bem ser a passagem para o amor próprio.

  1. Auto-mutilação e doenças mentais são reais, e precisamos falar sobre isso.

tumblr_inline_n1z1mie7fr1rzl8xjTodos nós temos problemas e cada um tem seu meio de lidar com eles. Alguns são mais extremos que outros, sendo até graves como as doenças mentais. Na história Rae se auto-mutila, é uma forma extrema de lidar com os problemas, mas é importante compreender que existe forma de se recuperar.

Muitas dessas pessoas acabam por tentar passar por esses momentos sozinhos sem buscar ajuda ou até mesmo os que julgam dizendo que são coisas da cabeça e que é tudo para chamar a “atenção”. Quando na realidade temos que ter compaixão para com aqueles que estão lutando apenas para sobreviver.

  1. Lembre-se que todos estão lutando suas próprias batalhas.

tumblr_inline_n3b4ztjD3P1rzl8xjUma coisa que a série mostra é quão profundamente eles exploram sentimentos de cada personagem, não só de Rae. Há um amplo espectro de questões que as pessoas poderiam estar passando e as vezes nós não sabemos, pois estamos consumidos em nossos próprios problemas.

  1. Nunca se contente com nada menos do que você realmente merece.

tumblr_inline_npol0cNFTr1rzl8xj_500Rae e sua melhora amiga, Chloe, acabam saindo com caras que não as valorizam e eventualmente elas percebem que merecem coisas melhores e como resolução caiem fora, se separando de pessoas tóxicas e negativas. Nunca deixe que ninguém te fale que você é inferior ou que não pode obter o que você merece, corra atrás de seus desejos e não se preocupe em como os outros vão reagir.

  1. O poder da auto-aceitação.

tumblr_nqrljdRwbZ1rkjn1zo1_500Aceitar a si mesmo é sempre um aprendizado complicado, no geral é difícil de aprender porque somos suscetíveis à suposição de que nós não somos “suficientemente bons”. A verdade é que a nossa aceitação não depende dos outros e precisamos estar cientes de estigmas negativos, e como Rae desafiar a fim de moldarmos nossa visão sobre nós mesmos.

 

Em minha adolescência passei por muitos problemas, desde amigos exploradores a pessoas que apontavam para mim e faziam piadas com meu corpo e aparência, logo eu entrei em um mundo negativo e por anos precisei lidar com essa situação até conseguir me aceitar como sou e acabar conhecendo amigos de verdade que me apoiaram e me ajudaram nessa transição de aceitação. Imagino que se tivesse My Mad Fat Diary na época em que passei por essa situação teria me ajudado muito. Espero que tenham gostado do post e que possam assistir e amar a série e quem sabe te ajudar a passar por algum problema.

Esse texto é uma adaptação que você pode encontrar aqui.

Se gostou, compartilhe...Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail to someoneGoogle+share on Tumblr

Comentários

Comentários

About Ems Monteiro

Na casa dos 20 anos, sou amante dessa cidade cinza que não dorme e nos surpreende em cada esquina, estação, museu... Fazendo faculdade de Arquitetura e Urbanismo e tentando sempre colocar minhas séries em dia, uma tarefa quase impossível.

2 comments on “Série | Como My Mad Fat Diary me ensinou sobre auto-aceitação

  1. Oi Meninas!
    Primeiramente gostaria de dizer que amei o blog de vocês!
    E como não amar esse post, ein? Sou louca por MMFD, e fiquei muito triste quando soube que esta seria a última temporada (e que teria só 3 episódios) mas sabe, eu até esperava por isso, depois de tudo que aconteceu na 2ª. Espero que a Rae tenha um final feliz, ou pelo menos que a encaminhe para algo feliz, porque eu não poderia aguentar mais tristeza na vida dela.
    Sempre me identifiquei muito com a personagem, porque tive muitos problemas pra me auto-aceitar, então tudo que a Rae passava tocava de maneira muito forte o meu emocional.

    Enfim, acho que meu comentário ficou meio nada a ver, mas … KKK.

    Um abraço!
    http://www.winterbird.com.br/
    Jéssica Peixoto Posts Recentes..Muito amor pelo novo CD da Hilary DuffMy Profile

    1. Que bom que gostou do post e obrigada por ter gostado do site, espero te ver sempre por aqui e ahh vou dar uma conferidinha no seu também 😀
      Eu ainda não vi o último episódio, mas fiquei sabendo que foi bem emocionante.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CommentLuv badge